Foto: Domagoj Blazevic domagojblazevic.com

O Museu Invisível

Ben Evans e Luís Miguel Félix (EUA/PT)

Coprodução de obra

PALACETE DAS ARTES

23 a 27 de agosto (quarta a domingo), 16h às 19h | Entrada franca

Um museu dentro de um museu. Um se apropria do outro. Exceto que não há nada para ver em “O Museu Invisível”, onde a coleção é composta de descrições – de objetos, experiências, situações – doadas pelos visitantes. A exposição toma forma através de passeios orientados por guias que descrevem as obras de memória. À medida em que a coleção evolui, muda sua aparência e até desaparece, dependendo das lembranças de cada guia e dos artistas.

Nesta intervenção, Ben Evans e Luís Miguel Félix interrogaram a transmissão de obras de arte e a definição fundamental do museu. Como o museu se torna uma entidade concreta? Onde e como sua coleção se torna material? Que tipo de economia ele propõe?

QUEM É
Ben Evans nasceu em Chewelah, nos Estados Unidos, em 1982. Luís Miguel Félix nasceu em Braga, em Portugal, no mesmo ano. Ambos moram e trabalham entre Los Angeles e Europa.

A formação de Ben em Teatro e Dança abrangeu a Universidade de Yale, o Laboratório de Estudos de Movimento na Escola Lecoq, danceWEB e Paris 8, onde obteve um mestrado com foco nas obras de La Ribot, Deborah Hay, Felix Gonzalez-Torres e Marie Cool Fabio Balducci. Suas colaborações notáveis ​​incluíram projetos com Xavier Le Roy, Alkis Hadjiandreou, Takahiro Yamamoto e, com um grupo de artistas, incluindo Myriam Lefkowitz, ajudou a criar o projeto imersivo La Piscine com Les Laboratoires d’Aubervilliers. Seu trabalho recente tem interesse em ampliar a experiência artística para incluir ativamente o corpo do participante, navegando em espaços públicos banais e para experimentações inesperadas e desarmantes.

Luís formou-se em Estudos de Teatro e foi premiado com a bolsa de estudos do danceWEB em 2007. Participou do programa de pesquisa ex.erce, liderado por Xavier Le Roy, na CCN de Montpellier em 2008. Em 2014, completou o Mestrado em Teoria Crítica e Estudos Museológicos dirigido por Paul B. Preciado, no Museu de Arte Contemporânea de Barcelona. Em breve comemorando doze anos de trabalho profissional em artes, Luís concentrou-se em pesquisa e experimentação em formatos de publicidade e modos de visibilidade.

FICHA TÉCNICA
Um trabalho de: Ben Evans e Luís Miguel Félix | Exibição original criada com: Nino Bokan, Martina Granic, Marko Kalc e Nikolina Komljenovic | Produzido por: ekscena, com suporte da Fundação Calouste Gulbenkian (Portugal) e MSU (Croácia) | Guias locais: Ben Evans, Luís Miguel Félix, Bento Simas, Lisa Vietra, Vera Pessoa, Victor Corujeira | Produção local: Dimenti Produções Culturais